Fisioterapia aquática – Hidrovida

Fisioterapia aquática

Não consiste meramente em executar a fisioterapia convencional dentro d’água. São movimentos, exercícios e manuseios específicos que tomam partido das propriedades físicas da água (flutuação, pressão hidrostática, tensão superficial, etc) e permitem obter resultados incapazes de serem obtidos no solo. Leia mais

As propriedades físicas e hidrodinâmicas da água (flutuação, pressão hidrostática, empuxo, arrasto, tensão superficial, viscosidade) permitem que o tratamento seja realizado para:

  • Facilitar os movimentos articulares com a redução da força gravitacional
  • Promover o relaxamento muscular
  • Reduzir a sensibilidade à dor
  • Minimizar espasmos musculares
  • Melhorar a circulação periférica
  • Melhorar a consciência corporal
  • Aumentar o gasto enérgetico com exercícios aeróbios
Quando a Fisioterapia Aquática é indicada?

Para corrigir lesões ortopédicas, alterações posturais, seqüelas neurológicas, patologias neuromusculares, reabilitação cardiovascular, doenças respiratórias e dores crônicas. 

Sendo indicado para:

  • Pré e pós-operatório
  • Alívio da dor
  • Edemas
  • Fraqueza muscular
  • Contraturas musculares 
  • Diminuição da mobilidade articular
  • Diminuição da capacidade respiratória
  • Alteração e comprometimento do equilíbrio corporal
  • Dificuldade em realizar a marcha
  • Alterações posturais
  • Estresse
  • Distúrbios do sono
Fisioterapia Aquática é o mesmo que Hidroginástica?

Alguns exercícios podem ser os mesmos. O que diferencia é a finalidade: a Fisioterapia Aquática aborda indicações como, lesões ortopédicas, alterações posturais, entre outras. Visa primordialmente a reabilitação e o alívio da dor. Para tanto, é habitualmente realizada individualmente. A Hidroginástica visa primordialmente o condicionamento físico e permite a formação de turmas coletivas.

Métodos utilizados na Fisioterapia Aquática
Halliwick – equilíbrio e adaptação ao meio líquido

O Método Halliwick e sua evolução terapêutica, a Terapia Específica na Água, utilizam uma série de exercícios e manuseios que aproveitam as propriedades físicas da água para criar um ambiente variado e rico em desafios ao sistema nervoso. Visa a solução de problemas tais como, manter e recuperar o equilíbrio, aumentar a agilidade, estimular os reflexos nervosos na presença de patologias como derrame (AVC – acidente vascular cerebral), TCE (traumatismo crânio-encefálico), TRM (traumatismo raqui-medular) ou outros tipos de acometimentos neurológicos e neuromusculares, inclusive de transtornos do espectro autista (TEA) e do neurodesenvolvimento em geral.

Permite também ampla atuação em patologias músculo-esqueléticas (osteomusculares).

Bad Ragaz – fortalecimento muscular

O Método dos Anéis de Bad Ragaz utiliza flutuadores (bóias ou colares, os “anéis”) para manter pescoço, pélvis e tornozelos na superfície da água. O fisioterapeuta aplica com as mãos forças sobre o corpo, promovendo um aumento da força muscular e estimulando a fáscia. Igualmente permite intervir sobre um ponto corporal longe do foco do problema e obter reativamente efeitos sobre o ponto focal.

Técnicas de Relaxamento Aquático Passivo e Ativo

No relaxamento passivo, conhecido como Watsu®, o paciente é conduzido em movimentos ondulatórios relaxantes, suavemente agitando os líquidos intersticiais e rompendo a rigidez articular e a tensão muscular. Contribui à redução do  estresse.

No relaxamento ativo, mais conhecido como Ai Chi, o paciente participa ativamente da realização de exercícios relaxantes, que induzem ludicamente o treino da coordenação, equilíbrio e postura, objetivos da terapia aquática.